9 de out de 2008

polaridade


A obsessão compulsiva caracteriza-se pela presença de ideias, de imagens ou de impulsos recorrentes, não desejados, invasores que parecem sem sentido, estranhos, indecentes ou aterradores (obsessões) e, ao mesmo tempo, uma urgência ou uma compulsão para fazer algo que liberte da incomodidade causada pela obsessão.

Fui buscar a descrição, para que quem não tem a experiência deste impulso, faça uma ideia ao que me refiro, quando uso a palavra obsessão para caracterizar o Quindecile. Não se pretende aqui diagnosticar a doença mas sim fazer uso de uma expressão que caracteriza a necessidade contínua. Basta que seja obsessão para que nos perturbe e desatine, seja qual for a sua natureza ou área de vida. Quem já descobriu a necessidade de promover a transformação de dentro para fora para alcançar a paz no seu dia-a-dia, saber que que existe um ponto em que facilmente podemos ceder a vontades incontroláveis, será por certo uma ajuda. Saber do que padecemos, ajuda mas não cura. Há que usar a faculdade racional, passando a ter mais um dado a considerar na evolução a que nos propomos. Existem variadíssimos casos de que pessoas que em determinadas áreas de vida têm uma grande dificuldade de se impor limites saudáveis para o próprio, muitas vezes observo este aspecto, a minar a paz que se deseja. Sempre que encontro Jupiter envolvido neste aspecto, a dita obsessão torna-se mais premente, cada vez que ao tentar acalmar a sede de mais, acabamos por reforçar e aumentar a necessidade obsessiva. Este será um jogo para toda uma vida, em que cada um irá necessitar aproveitar o que de lhe bom lhe dá e aprender com o pior dos excessos. Comparo o efeito compulsivo do Quindecile a uma característica física, que não se pode alterar por cirugia plástica, por isso melhor será aprender a escolher o figurino que mais nos favorece e tirar partido do mesmo. O que pode fazer de criativo com essa obsessão? Como essa mania pode passar a servi-lo a si em vez do contrário? Estou certa que será mais fácil enfrentar a fera do que esperar que desapareça por artes mágicas de algo ou alguém.

8 comentários:

Maria Paula Ribeiro disse...

Boa noite Ana,

Este é profundo... Vou relê-lo de manhã e dormir no assunto! :)

Um beijinho

Samsara disse...

Olá Ana Cristina
Creio que são 3 no meu mapa, todos envolvendo saturno dirigidos ao ascendente, Júpiter(reg do asc) e Neptuno, envolvendo o eixo 1-7. Dizes bem que é uma luta para a vida, estou consciente dela, noto uma evolução ao longo da vida, mas há alturas, momentos, em que a luta interna é gigante, parece que ando para trás, como os planetas retrógrados.
Beijinhos

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

MP boa sesta então :-)

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Sam, a vida é isso mesmo recuos e avanços é melhor aproveitar o bocados todos da viagem :-)
Só conto 1 Sat-Nept; realidade e sonho, responsabilidade e ideal, a estruturas rígidas que tendem a desaparecer.
Votos e um dia feliz

Teresa Marcelino disse...

Vir ao seu blog transformou-se numa rotina. Posso estar cansada, ter pouco tempo, nem sequer sentir vontade de ligar o pc, mas há sempre um instante para dar aqui um saltinho. E porquê? O texto de hoje diz tudo - a maioria das vezes parece que isto foi escrito para mim. ;)

Um abraço!

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Obrigada Teresa pelas suas palavras, espero que esse saltinho lhe dê alento para as barreiras com que nos deparamos.
Abraço :-)

cova-do-urso disse...

Bom dia, Ana Cristina,

«Como essa mania pode passar a servi-lo a si em vez do contrário?»

Muito bom. Gostei muito. É daqueles artigos que vale por todo um livro.

Ainda sem o portátil em casa.

Bom fim-de-semana.

António

Ana Cristina Corrêa Mendes disse...

Olá António, obrigada, acabada de chegar da sua cova, encontro o seu post e deixe-me cumprimentá-lo pelo optimismo que faz passar, apesar de do drama do computador...saber viver é sempre bonito de se ver. E também há aquelas ideias que nos ocorrem quando não podemos comunicar tanto...:-) Bom final de semana